por Fernando Duarte

Competências Socioemocionais: a capacidade de ser melhor a cada dia

As Competências Socioemocionais (CSEs) são habilidades não cognitivas que podem ser desenvolvidas pelo ser humano. É a habilidade de cada um de se conhecer, lidar com suas próprias emoções, se relacionar com as pessoas à sua volta e assim, conseguir colaborar com a sociedade como um todo.

O autoconhecimento, a autoestima, o controle emocional do próprio indivíduo, a disciplina e a perseverança para alcançar objetivos, a responsabilidade para resolução de problemas de forma ética, o trabalho em equipe, a extroversão e a empatia são alguns exemplos de competências socioemocionais.

“O importante é que praticando CSEs durante toda a vida, cria-se uma cultura de compreensão de vida, conhecimento e aprendizagem do que é o ser humano e qual o seu papel como indivíduo no mundo.”

Esta nova visão não implica em deixar de lado as competências cognitivas, muito pelo contrário, as Competências Socioemocionais são utilizadas para potencializar os conhecimentos acadêmicos pois guarda estreita relação com esses conteúdos.

“É imensa a dimensão que envolve as CSEs, como resumo, elas são habilidades que você pode aprender, praticar e ensinar.”

A escola da inteligência produziu um ebook sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) onde ressalta a importância das CSEs.

"O ensino tradicional, separado por disciplinas, tem se mostrado ineficaz na formação dos estudantes. Muitos alunos, ao se depararem com alguma dificuldade ou frustração sobre alguma matéria ou avaliação, ficam desmotivados a buscar o conhecimento e a enfrentar esse desafio."

"Atualmente, sabemos que a importância das competências socioemocionais e comunicativas para a aprendizagem é tamanha que, no texto da BNCC, elas são reconhecidas como as competências necessárias aos indivíduos no século 21. Essas habilidades atuam diretamente no aprendizado, possibilitando que o indivíduo compreenda melhor o sentido da educação na sua formação."
E-book Base Nacional Comum Curricular

O Seja [hi] é nosso convite para despertar o que há de melhor em cada ser humano.

Desde 1999 desenvolvo competências socioemocionais nas equipes de clientes por meio da [hightouch], nome jurídico da minha empresa, termo cunhado por Peter Drucker para ser o contraponto ao High Tech para representar a qualidade funcional. A essência da nossa metodologia de CSEs vem do “Touch”, que significa o toque – o calor humano, o abraço – assim como “High” que remete ao elevado – o transcendente, o nobre – ou seja: High = competências e Touch = social e emocional. Com o amadurecimento da nossa metodologia surgiu o [hi] que é o conceito representado de forma resumida: um “oi” com um abraço, representado pelos colchetes.

Ser [hi] significa: Viver uma vida consciente e de valor. Ser melhor a cada dia.

Os serviços que ofereço vão muito além de cursos, palestras e eventos, cada solução vem repleta de amor, alegria e de valores que existem em cada um de nós, mas que, as vezes, está adormecido.

Quero inspirar, as pessoas a serem o seu melhor através da [hi]. Inspirar o autoconhecimento para que tenham um maior contato consigo mesmas e possam realizar mudanças de comportamento significativas que irão influenciar positivamente seu ambiente familiar, escolar, social e profissional de maneira consciente, interativa e prática.

Os “Big 5” ou “OCEAN”

As Competências Socioemocionais, podem ser compreendidas dentro de 5 grandes domínios de personalidade, os chamados "Big 5”.

“Chama muito a atenção o fato das iniciais em inglês das cinco categorias dos ‘Big 5’ formarem a palavra ‘ocean’. O oceano é uma metáfora maravilhosa para as habilidades socioemocionais: imensidão, profundidade, mistério, zonas abissais, às vezes uma marola reconfortante e calma, às vezes um maremoto devastador”

Esses 05 domínios são:

  1. Openness – Abertura a novas experiências: Tendência a ser aberto a novas experiências estéticas, culturais e intelectuais.

    Habilidades: Criatividade, Estética, Sensibilidade, Ações e Ideias.

    Pesquisas concluíram que alunos com este atributo desenvolvido faltavam menos às aulas e optavam por cursos mais difíceis. Também foram associados os trabalhos de conclusão de curso nas universidades com a Criatividade.

  2. Conscientiousness – Conscienciosidade: Tendência a ser organizado, esforçado e responsável.

    Habilidades: Competência, Ordem, Autonomia, Perseverança, Esforço, Responsabilidade, Disciplina e Deliberação.

    Os resultados das pesquisas sobre o desemprenho escolar demonstram que a conscienciosidade é o atributo da personalidade mais importante. Este atributo ajuda mais o a pessoa a obter êxito com seus objetivos que a inteligência, o que se espelha também para o desempenho profissional da pessoa.

  3. Extraversion – Extroversão: Projeção de interesses e energia em direção ao mundo externo (ao invés do mundo interno da experiência subjetiva).

    Habilidades: Acolhimento, Agregador, Afirmação, Atividade e Emoional positivo.

    A extroversão, quando ligada ao ambiente escolar, mostra-se eficaz em incentivar os jovens a permanecerem na escola por mais tempo.

  4. Agreeableness – Amabilidade/cooperatividade: Tendência a agir de modo cooperativo e não egoisticamente

    Habilidades: Confiança no próximo, Objetividade, Altruismo, Obediência, Modéstia e Simpatia.

    A amabilidade tem seu impacto principal demonstrado em atividades em grupo realizadas nas escolas. Características como agressividade e irritabilidade podem ser revertidas em disponibilidade e afabilidade, facilitando o trabalho em grupo e a convivência social.

  5. Neuroticism – Estabilidade emocional: Previsibilidade e consistência de reações emocionais, sem mudanças bruscas de humor.

    Habilidades: Autoestima e Autoeficácia.

    Foi concluído em diversos estudos que a estimulação de talentos não cognitivos na infância e juventude causa o aumento da facilidade de seus indicadores cognitivos, levando à efeitos secundários importantes, como características de personalidade atrelados às capacidades cognitivas do ser humano.

“Os Big 5 são construídos latentes obtidos por análise fatorial realizada sobre respostas de amplos questionários com perguntas diversificadas de personalidade que um indivíduo poderia ter. Quando aplicados a pessoas de diferentes culturas e em diferentes momentos no tempo, esses questionários demonstram ter a mesma estrutura fatorial latente, dando origem à hipótese de que os trações de personalidade dos seres humanos se agrupariam efetivamente em torno de cinco grandes domínios.”